Escrever sobre bolinhos de carne, não parece algo que seja minimamente importante para alguém. Eu mesmo acho que nunca leria um post ou matéria sobre esse assunto, salvo se fosse um aficionado por bolinhos de carne.

Quando paro e penso mais de 5 segundos sobre o que estou pensando em escrever neste post, chego a ficar um pouco com vergonha. Mas, sabe como é…. Se o post que dá mais acesso aqui no site é aquele que trata da viabilidade econômica em se fazer ou não chá de fraldas para seu bebê, acabo achando que vale tudo mesmo por aqui.

Não sei ao certo estou ficando paranoico, mas ao fazer uma parada despretensiosa numa lanchonete alemã que fica no final da Serra de Petrópolis – RJ, um fato me chamou tanta a atenção que não consegui deixar passar a oportunidade de escrever sobre ele.

bolinho de carne

É claro que o post vai falar sobre bolinho de carne. Diga-se de passagem, o tal bolinho é até bem famoso na região e pode-se até dizer que se tornou tradicional. Mas não é nem de longe esse o tema que vou tratar aqui.

Ao chegar na lanchonete, vindo do Rio de Janeiro, estava com uma fome razoável. Pensei um pouco em resistir até chegar em casa, mas ao ver a placa da lanchonete, minha determinação se esvaiu quase que instantaneamente.

Parei o carro, selecionei cuidadosamente uma mesa que melhor atendia às minhas exigências de conforto e minhas paranoias em relação a nunca sentar de costas para a saída. Quando o garçom chegou fui logo pedindo dois bolinhos de carne, afinal no cardápio essa a opção mais certa, sem chances de não gostar, afinal o tal bolinho de carne já uma tradição por ali.

Quando o prato cegou contendo os dois bolinhos, percebi que um estava menor que outro. Na hora pensei:

“Putz que falta de padrão! Mas calma, é um bolinho de carne tradicional, então deve ser feito ainda com técnicas antigas, manualmente e por isso é de se esperar certa variabilidade no produto final. ”

A fome realmente era grande e após comer os dois primeiros bolinhos de carne, ui logo procurando o garçom para pedir mais dois.

E então veio novamente o prato com mais dois bolinhos de carne. Qual a surpresa? Novamente havia um bolinho de carne menor que o outro. Pela segunda vez ter um bolinho quase que simetricamente menor na mesma proporção que da primeira vez?

Não pode ser coincidência.

bolinho de carne what

Neste momento entrou em cena a paranoia de sempre. Fiquei olhando para o segundo prato com os dois bolinhos de carne e pensando que a diferença de tamanho, poderia muito bem ser proposital. Foi então que resolvi estimar se essa seria uma boa estratégia para a lanchonete. Qual estratégia?

Servir bolinhos de carne com uma variação proposital no tamanho.

Vamos analisar! Porque apostar na variabilidade dos tamanhos dos bolinhos de carne pode ser uma boa estratégia para a lanchonete?

Aqui vão algumas hipóteses:

  • Por ser um produto tradicional, os consumidores têm muita referência do preço. Isso ao longo do tempo apresenta certa dificuldade em mexer nos valores. Afinal após mais 30 anos servindo a mesma coisa, as pessoas se ancoram nos preços e isso pode deixar a demanda pelo bolinho de carne muito elástica . Ser elástica significa ser muito sensível a variações no preço. Na prática pequenas variações nos preços impactariam sensivelmente as vendas dos bolinhos de carne.
  • A lanchonete implantou uma estratégia de melhora nas margens de lucro dos bolinhos de carne. Para isso, como sua demanda é muito sensível a preço, resolveu vender bolinhos menores. Obviamente bolinhos menores ao mesmo preço de venda, tem maior margem.
  • A lanchonete implantou uma estratégia de entregar menos bolinho de carne quando alguém pede dois ao mesmo tempo. Isso teria um efeito visual impactante, mas como a redução é visualmente pequena, passaria despercebido.
  • Com bolinhos de carne menores, o nível de saciedade de cada bolinho reduz e com isso poderia estimular os clientes a comer mais bolinhos para ficarem plenamente satisfeitos.

Como eu disse, a situação me deixou realmente paranoico.

Não satisfeitos em imaginar as estratégias que poderiam ter motivado a lanchonete a adotar a prática de reduzir o tamanho dos bolinhos de carne, peguei as fotos que tirei do prato, coloquei em escala, medi o tamanho de cada um dos bolinhos de carne e calculei quanto a menos em média a redução do tamanho daria de lucro para a lanchonete. Os cálculos seguem abaixo.

bolinho de carne menor

Confesso não lembrar o valor do bolinho. Fiquei tão consumido com a ideia da estratégia de redução que me distraí para esse detalhe. Para não deixar de fazer o cálculo e estimar o quanto a mais a lanchonete poderia estar ganhando com a estratégia da redução no tamanho, vou considerar que o bolinho custa R$6,00.

Assim considerando a redução de 14,3% no amanho no bolinho de carne, temos que nós, os clientes, pagamos a mais R$0,86 por bolinho de carne. Imaginem que a lanchonete venda 1000 bolinhos de carne por dia. A conta fica em R$860,00 a mais de faturamento por dia e a bagatela de R$25.800,00 a mais de faturamento por mês.

bolinho de carne preços

Não sei vocês, mas eu achei um belo resultado para uma estratégia de preços. Com investimento zero para implantar e para um produto sensível ao preço, a redução evita o desgaste do reajuste e do aumento de preços que pode refletir na demanda.

Você pode pensar que a redução no tamanho vai provocar um efeito substituição nos clientes, mas pense bem. Quantos paranoicos como eu, ou você que lê as bobagens que escrevo aqui, vão reparar numa redução de menos de 15%? A lanchonete pode ter ainda feito o bolinho de carne com diâmetro menor. Nesse caso os lucros seriam ainda mais fantásticos. Nem quero pensar nessa conta rsrsrsrs.

Reduzir também o diâmetro, seria uma estratégia ainda melhor. Nem acredito que escrevi isso aqui! Espero que o responsável pela lanchonete não leia, afinal, a despeito de levar menos por mais, eu espero voltar lá e comer mais alguns bolinhos de carne.