A sociedade está cada vez mais liberal, com o passar dos anos alguns assuntos se tornaram populares, sexo, política e religião já são discutidos abertamente, mas dinheiro continua sendo um tabu. Uma geração que cresce sem saber o quanto os pais ganham e sem ver um assunto essencial ser discutido na rotina familiar, seguem a vida simplesmente replicando as mesmas práticas.

Mas esse assunto proibido é um dos motivos de desentendimento entre os casais, de acordo com o estudo do SPC Brasil 47,7% dos entrevistados admitem já ter brigado com o parceiro por causa de dinheiro. E independente do seu estado civil esse problema é recorrente, mas você não precisa esperar até o casamento para mudar seus hábitos.

E se quiser conhecer no detalhe os motivos que abalam o relacionamento quando o assunto é finanças confira aqui e veja qual faz parte da sua realidade.

Fonte: Educação Financeira e a Gestão do Orçamento Familiar - Fevereiro/2018 – SPC Brasil

Os números assustam, mas o importante é saber que tem solução e que entender alguns conceitos da economia comportamental te fará ver a rotina com outros olhos.

Comportamento de manada

Esse efeito evidencia-se quando pessoas fazem o que outros estão fazendo em vez de usar suas próprias informações ou tomar decisões independentemente[1].

Claro que manter o hábito é sempre o mais fácil, mas não é a melhor opção, para romper com o efeito manada crie um compromisso financeiro com a pessoa que você se relaciona. Compromissos são usados frequentemente como uma ferramenta para neutralizar a falta de determinação das pessoas e para se obter mudança de comportamento[2]. Uma opção é propor que cada um do casal faça sua avaliação financeira individual e juntos negociem o recurso para os eventos em comum, e estabeleça o compromisso de honrar essas metas.

Desconto Intertemporal

Recompensas recebidas no presente pesam mais do que recompensas futuras, segundo estudos sobre desconto intertemporal que examinaram diferenças na valoração relativa de recompensas, geralmente dinheiro ou bens, em diferentes momentos, comparando a valoração em uma data anterior com outra em data posterior.[3]

É o efeito do desconto intertemporal que te impede de economizar hoje pensando na sua vida daqui a 20 anos. Sabendo disso você precisa criar gatilhos para superar este efeito. Escolha uma boa foto sua e use esse simulador[4] para você se ver mais velho e faça uma avaliação:

  • Como você quer estar em 20 anos?
  • Qual recurso você terá para viver os seus planos com tranquilidade?
  • O quanto você economizará hoje para suprir seu eu de amanhã?

Você tem vários caminhos para mudar sua realidade financeira sentimental, mas que tal começar com o bloqueio do efeito manada evitando colegas gastadores e descontrolados e projetando sua vida no futuro distante, investindo hoje para usufruir no amanhã.

Aplique o conceito de escassez no orçamento do casal, jantares pontuais serão mais valorizados, viagens especiais serão mais esperadas, estabeleça um orçamento para eventos e escolha melhor, estabeleça metas e celebre quando alcançarem. Como o cenário era de abundância a dor da perda vai gerar um sentimento de nostalgia dos melhores momentos e eles serão bem mais proveitosos quando ocorrerem no cenário de escassez. Amor e dinheiro podem sim viver em harmonia.

Referências

[1] Glossário Guia de Economia Comportamental e Experimental

[2] Dolan et al., 2010

[3] Frederick, Loewenstein e O’Donoghue, 2002

[4] https://en.kueez.com/what-will-you-look-like-in-20-years?utm_source=google&utm_medium=organic&utm_campaign=search