Talvez você já conheça a tão popular teoria das janelas quebradas, publicada em 1982 na revista Americana The Atlantic Monthly, criado por James Wilson e George Kelling[1].

De forma resumida, aborda a pauta de que pequenas desordens levariam a grandes desordens e, posteriormente, ao crime. Um case famoso que antecede esta teoria é de 1969 quando Philip Zimbardo, um psicólogo de Stanford realizou um experimento em dois bairros dos Estados Unidos, abandonou um carro em um bairro pobre e outro em um bairro rico, o carro deixado na região pobre foi vandalizado em poucas horas e o outro não, mas o interessante deste experimento é quando os pesquisadores quebram uma das janelas do carro que se manteve intacto, mesmo estando em uma região rica o carro teve o mesmo fim e foi também vandalizado[2].

Esta teoria foi disseminada na área da segurança pública aliada à política de tolerância zero, mas hoje não abordaremos esse foco. O que queremos discutir é como a teoria das janelas quebradas se aplica na nossa rotina, tanto nas rotinas de casa quanto nas rotinas corporativas.

Sabe quando você arruma toda a casa ou quando a diarista deixa a casa impecável? Quantos dias você mantém a organização? Assim como a primeira janela quebrada, é o primeiro copo na pia ou o primeiro sapato fora do lugar e pronto, já sai do nosso controle e quando percebemos a casa já está uma bagunça. Agora pense, quando foi a última vez que sua caixa de e-mail ficou zerada? Quantos dias foram necessários para voltar a acumular? Basta um dia conturbado, sem o tempo para checar os e-mails e pronto, o caos se instala e é preciso uma força tarefa para colocar tudo em dia.

Por isso quero que você resgate outro conceito que você já deve ter ouvido falar, o 5S. O programa nasceu no Japão, no final da década de 1960, como parte do esforço empreendido para reconstruir o país derrotado pós-guerra e contribuiu, em conjunto com outros métodos e técnicas, para o reconhecimento da poderosa inscrição made in Japan e foi difundido no Brasil no ano de 1991 através dos trabalhos pioneiros da Fundação Christiano Ottoni, liderada pelo Professor Vicente Falconi[3].

E o que vamos discutir aqui é como a teoria das janelas quebradas tem relação com o 5S e como algo tão simples gera resultado de alto impacto.

Não se trata somente de bater a meta

Nossa vida se resume em bater metas, mas o diferencial de empresas de sucesso é que elas sabem bater metas consistentemente e com o time fazendo certo. Mas o que seria isso?

Vamos a um exemplo.

Minha meta é perder 5 kg para passar o ano novo na praia, e vou bater esta meta, é fato, nem que pra isso eu precise intensificar os exercícios, controlar minhas refeições, cortar doces, refrigerantes e tudo mais, mas em janeiro, pós ano novo, relaxarei e voltarei a minha rotina. Eu bati a meta, mas o meu resultado foi consistente a ponto de conseguir estabilizar o novo peso? Não. Para isso, um sistema de gestão para resultados precisa ser estruturado, ações emergenciais não resolverão o problema.

Mas o mais impressionante é que um sistema de gestão para resultados, por mais complexo que possa parecer, veja a figura abaixo, a sua base é simples, a base disso tudo é o 5S. O 5S trabalha com 5 sensos: Senso de Arrumação, Senso de Ordenação, Senso de Limpeza, Senso de Asseio e Senso de Autodisciplina.  A aplicação dos 5S reforça o conceito de que está estragado arrume.

Fonte: Livro Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia-a-Dia,2002 FALCONI, Vicente C.

 

Empresas que não aplicam o 5S, ou até mesmo as nossas casas sem a aplicação do 5S, refletem a teoria das janelas quebradas.

Por que precisamos de um dia de faxina e não estabelecemos organizações diárias na nossa casa? Estabeleça um padrão, organize, devolva tudo para o seu lugar, descarte o excesso, mantenha a rotina.

As aplicações destes conceitos em nossas rotinas nos mostra como podemos expandir os resultados positivos para os nossos negócios.

Defina o seu problema, aplique o gerenciamento da rotina e a sua fundamentação dos 5S, e afaste as “janelas quebradas” para não deixar os pequenos vícios se instaurarem.

Rotinas criam hábitos.

 

[1]http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/RTrib_n.970.11.PDF

[2] http://www.dpi.policiacivil.pr.gov.br/arquivos/File/ateoriadasjanelaspartiadas.pdf

[3] http://www.ufjf.br/ep/files/2014/07/2007_3_Renata-de-Souza.pdf