Novo episódio de série da Netflix (Bandersnatch) trabalha racionalidade, decisões e entra para a história com nova forma de interação e originalidade do roteiro.

Nem sempre é possível dimensionar eventos que acontecem em nosso tempo e que num futuro será um divisor de águas ou algo que marque uma época e ente para a história. Esse não é o caso do novo episódio da série Balck Mirror, produzida pela Netflix: Bandersnatch.

Com uma história alucinante o Netflix entrega em Bandersnatch o controle sobre a história para o expectador. Somos imersos na história na qual decidimos aquilo que o protagonista irá fazer. Isso mesmo! Estamos no controle das decisões tomadas pelo protagonista Stefan Butler.

Seguindo o estilo de outros episódios, Bandersnatch apresente uma história de ficção com fortes elementos de tecnologia e fantásticos que fazem um pano de fundo perfeito para que possamos refletir sobre algo que está presente no mundo real.

Em Bandersnatch, há um claro questionamento da racionalidade de nossas decisões e de como somos manipulados de forma inconsciente a adotar determinados comportamentos. Um tema muito pertinente que nos leva a uma reflexão surreal de como podemos nos transformar em verdadeiros fantoches.

Na série, somos nós os manipuladores. Nós expectadores é temos o controle. Mas talvez essa seja a grande crítica por traz da narrativa de Banderssnatch. Estamos sim no controle e após tomar as decisões ao longo da trama, percebi que também fui de certa forma manipulado pela narrativa.

Essa manipulação me fez tomar decisões questionáveis do meu próprio ponto de vista moral, mas imerso na trama e sem ter que responder diretamente pelas consequências das decisões que tomara, tudo foi mais fácil. Mais fácil inclusive, abandonar minha régua moral e optar por decisões cruéis.

Bandersnatch sem dúvida entrará para a história do entretenimento. Quem foi que disse que é preciso de óculos de realidade virtual para que se tenha uma experiência imersiva? A Netflix mostrou definitivamente que não é preciso!

Em uma clara referência a Lewis Carroll, onde Bandersnatch é uma criatura de pescoço longo e mandíbulas quebradiças. Carroll o descreve como uma criatura feroz e extraordinariamente rápido. No livro continuação da história de Alice no País da Maravilhas (Through the Looking-Glass) sugere-se que Bandersnatches podem ser encontrados no mundo atrás do espelho.

Aliás outra referência à obra de Carroll, neste ponto em que a série traz, situações onde o espelho aparece e para evitar spoiler, vou parar por aqui nessa e não falar mais nada sobre como o espelho aparece na série.

Enfim para fechar o ano aqui no Geekonomics, este certamente será meu último post do ano, nada melhor do que deixar uma recomendação como Bandersnatch. Anotem aí, porque no futuro certamente irão referenciar este episódio de Black Mirror como sendo um marco para o a indústria do audiovisual.

Encerrando e desejando a todos um feliz 2019 e dizendo que teremos mais Bandersnatch aqui no Geekonomics. Afinal tem muita coisa a ser explorada do ponto de vista de comportamento!

Até a próxima pessoal.