Um estudo randomizado controlado (ou ensaio randomizado – RCT) é um tipo de desenho de experimento científico que visa reduzir vieses ao testar um novo tratamento experimental. Os agentes experimentais (pessoas) que participam do estudo são alocados aleatoriamente para o grupo que recebe o tratamento experimental sob investigação ou para um outro grupo que não recebe tratamento – grupo controle.

A randomização minimiza o viés de seleção e os diferentes grupos de comparação permitem que os pesquisadores determinem quaisquer efeitos do tratamento quando comparados com o grupo sem tratamento (controle), enquanto outras variáveis ​​são mantidas constantes.

O RCT é frequentemente considerado o padrão ouro para experimentos científicos em diversas áreas, incluindo a Economia Comportamental e demais áreas de estudo do comportamento humano.

Os RCT´s são frequentemente usados ​​para testar a eficácia ou efetividade de vários tipos de intervenção experimental e podem fornecer informações sobre efeitos de designs comportamentais diferentes, abordagens de comunicação ou mesmo aderência a estratégias como opt-in e opt-out.

Uma das vantagens mais importante da randomização é que ela possibilita minimizar o viés de alocação, equilibrando fatores conhecidos e desconhecidos, na atribuição de tratamentos.

ETAPAS DE UM RCT (Randomized Controlled Trial)

COMO PROJETAR CORRETAMENTE UM RCT (Randomized Controlled Trial)

  • A amostra a ser estudada será apropriada à hipótese testada, de modo que quaisquer resultados sejam apropriadamente generalizáveis. O estudo recrutará pacientes suficientes para permitir que tenha uma alta probabilidade de detectar uma diferença clinicamente importante entre os tratamentos, se realmente existir uma diferença.
  • Haverá randomização (oculta) eficaz dos sujeitos para os grupos de intervenção / controle (para eliminar o viés de seleção e minimizar as variáveis ​​de confusão).
  • Ambos os grupos serão tratados de forma idêntica em todos os aspectos, exceto para a intervenção que está sendo testada e, para esse fim, os pacientes e os pesquisadores serão idealmente cegos para qual grupo um indivíduo é designado.
  • O investigador que avaliar o resultado será cegado para a alocação do tratamento.
  • Os pacientes são analisados ​​dentro do grupo ao qual foram alocados, independentemente de terem experimentado a intervenção pretendida (intenção de tratar a análise).
  • A análise se concentra em testar a questão de pesquisa que inicialmente levou ao teste (isto é, de acordo com a hipótese a priori que está sendo testada), em vez de “trawling” para encontrar uma diferença significativa.

REFERÊNCIAS

Kendall JM – Designing a research project: randomised controlled trials and their principles

 

Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Randomized_controlled_trial