O final de semana foi marcado por uma série de eventos comemorativos do Orgulho LGBT por todo país. Para quem como eu que tem concentrado os estudos em Economia Comportamental, um fato me chamou a atenção no dia do Orgulho LGBT, e não foi a parada recorde de público realizada em São Paulo.

O serviço de Streaming de músicas Apple Music criou um espaço em seu serviço com uma extensa e diversa seleção de músicas dedicadas a comemorar a data. Você deve estar aí pensando que isso é algo natural e comum e que nem mesmo chega a ser algo a chamar a atenção.

Mas para um Cientista Comportamental… Sim isso chama muito a atenção e vou dizer a seguir o motivo.

Em Economia ou Ciências Comportamentais uma das áreas mais estudadas é aquela onde são verificados comportamentos interdependentes. Estes em geral podem ser definidos como comportamentos que são verificados quando pessoas se orientam, tendo como base aquilo que os outros fazem, como se comportam ou aquilo que julgam apropriado ou não.

Comportamentos interdependentes e rede de referência

Em geral, quando pessoas não sabem como se comportar, elas se orientam por aquilo que chamamos de rede de referência (referencial network). Esta rede de referência pode ser: seus vizinhos, sua família, colegas de trabalho…

O importante é perceber que a rede de referência nem sempre é a mesma e pode variar de acordo com o contexto, lugar e tipo de decisão ou comportamento em que uma pessoa ou grupo de pessoas se engajam.

Sendo assim, é a rede de referência que define quem são as pessoas para as quais o nosso comportamento importa ou para as quais nosso comportamento se conforma. Tudo isso pois, desejamos pertencimento e assim queremos ser considerados pertencentes a determinado grupo. Desejamos ainda nos coordenar com o grupo ao qual nos identificamos ou desejamos pertencer e isso é necessário, para que nossos comportamentos não sejam considerados como imorais ou indesejados.

Em resumo adotamos o comportamento esperado e praticado pelo grupo, pois são estes comportamentos aqueles consideradores adequados no grupo e pelo grupo.

Um exemplo de comportamento social

Quando vamos a um restaurante japonês, tendemos a mudar nossa forma de comer passando a utilizar como talher o hashi. Mesmo que não saibamos muito bem como manusear o hashi à moda oriental, dificilmente vemos alguém reconhecendo o fato e solicitando talhes convencionais como garfo ou faca. Os mais desajeitados em geral solicitam um elástico adaptado ou outras artimanhas que facilitem o manuseio do hashi, mas é raro que alguém tenha iniciativa de pedir os talheres convencionais.

Mesmo para aqueles que têm extrema dificuldade se conformam à norma de uso de hashi, seja por querer se coordenar com os demais presentes ao jantar, seja por entender o uso do talher oriental como norma a ser seguida num restaurante de comida japonesa.

Há aqui uma forte conformidade que tem como base a rede de referência presente no restaurante. Todos naquele lugar esperam que as pessoas se comportem de forma a utilizar o hashi. Por outro lado, todas as pessoas que vão a um restaurante japonês, sabem que é esperado delas o uso do hashi. Dizemos então que há, expectativa do grupo em relação ao meu comportamento e uma expectativa minha a respeito das normas e comportamentos do grupo.

Eis um comportamento social, que pode até mesmo ser considerado um costume em que pessoas se comportam de determinada maneira com base naquilo que a rede de referência espera e determina como sendo a forma correta ou desejada de se comportar.

O que tudo isso tem a ver com comemorações do Orgulho LGBT?

Muito mais do que uma festa ou manifestação, toda mobilização em torno Orgulho LGBT, tem importante papel para a comunidade na medida em que comunica àqueles pertencentes ou não à rede de referência quais são seus costumes, crenças e comportamentos.

Enquanto comunidade, por muito tempo marginalizada e reprimida socialmente, esse tipo de manifestação é muito positivo e certamente promove um ambiente de maior tolerância na sociedade em geral. Mas um dos mais importantes pontos a se destacar, é que esse tipo de movimento fortalece o próprio grupo LGBT.

Neste contexto, me chamou muito a atenção uma reportagem, infelizmente não me lembro de onde assisti, em que a repórter entrevistou a Presidente de uma Associação LGBT em que ela dizia o seguinte:

“Sou homossexual há muitos anos e só tive a coragem de andar de mãos dadas com minha companheira na parada Gay.”

Autor desconhecido

Vejam como é importante a rede de referência para o comportamento. Antes da Parada Gay, essa representante LGBT não via formas de se comportar de acordo com sua orientação sexual. Ela certamente adotava como rede de referência, a sociedade com majoritariamente heterossexual.

Tendo uma rede de referência heterossexual, homossexuais se orientam e se comportam socialmente escondendo sua orientação sexual. Afinal de contas, como vimos a rede de referência molda o comportamento. Dessa forma, ser homossexual tendo uma rede de referência heterossexual é um paradoxo!

Como os homossexuais resolviam esse paradoxo?

Se escondendo e disfarçando suas preferências e orientação sexual. ☹️

Apple Music e Orgulho LGBT

A Apple ajudou a reforçar a rede de referência de maneira interessante ao colocar em seu Streaming de música listas e playlists que reforçavam o movimento LGBT. Na campanha utilizaram desde cores mais representativas até mesmo grandes nomes da música pertencentes à rede de referência LGBT para reforçar a Prova Social.

Reforçar ou evidenciar a prova social, neste caso foi feito de forma a criar publicamente na plataforma Apple Music uma identidade que reforça socialmente a rede de referência. E neste caso a Apple Music tem o mesmo apelo da parada Gay.

Uma ação excelente da Apple sem dúvidas! Aqui vale deixar os parabéns aos envolvidos!

👏👏👏👏👏👏👏👏👏

Um movimento necessário

É excelente que estejamos evoluindo a ponto de respeitar tais diferenças. Infelizmente esse respeito nem de longe encontra-se em níveis minimamente adequados, considerando que todos devem ter garantidas suas liberdades, sejam elas quais forem.

Muito se enganam aqueles que consideram a luta das pessoas LGBT um caso isolado. Preconceitos semelhantes são verificados em muitas outras comunidades como a comunidade negra, pessoas pobres, analfabetos, deficientes e muitos outros.

Respeitar, defender e garantir a liberdade de expressão dos LGBT, é garantir que outras formas de expressão também se sintam seguras em buscar a firmação de suas condições e igualdade de direitos. Em última análise, assegurar e garantir a liberdade à comunidade LGBT e a todas as demais comunidades é garantir a manutenção da democracia.

Até o próximo post pessoal!