Isolamento, comportamento e sociedade - Geekonomics
Opinando

Isolamento, comportamento e sociedade

Precisamos falar sobre isolamento social.

Sabemos que o momento da atual crise é difícil. Nem de longe queremos tirar proveito disso, seja da forma como for. Sabemos também que mesmo seguindo com as recomendações de isolamento, higiene, distanciamento e tantas outras, precisamos dar continuidade à nossa vida.

Essa continuidade será de uma forma para qual ainda podemos não estar totalmente preparados, mas de uma forma ou de outra já a ensaiamos faz algum tempo. Sim nossa sociedade se conectou, ficamos mais perto pela via digital e mais distantes pelo contato pessoal.

Dar seguimento à vida num momento de crise é sem dúvidas muito mais complexo do que podíamos esperar que seria. Isso porque nos foi retirado, sem debate, sem consulta ou muito menos pedindo nossa opinião, aquilo que é talvez, uma das maiores conquistas da sociedade democrática: nossa liberdade de ir e vir.

Ter liberdade de pensamento, de escolha, mas ser privado da liberdade de ir e vir, parece deixar tudo meio sem sentido.

Se por um lado a sociedade dá sinais de ser o digital algo desejado e caminho natural para as relações humanas modernas, por outro lado sinto, agora que fui jogado para essa nova realidade imposta e inevitável do isolamento, que parece não ser muito bem isso que eu esperava ou desejava.

Toda esquizofrenia das lives que vem criando dificuldades para os provedores de sustentar as conexões de internet, mostra que na verdade a grande histeria social pela qual passamos atualmente é a histeria do relacionamento e da convivência digital e à distância.

Certa vez, quando o Facebook estava no auge em relação ao engajamento das pessoas via rede social, refleti depois de alguns debates acalorados na rede, que certas pessoas eram melhores amigas off-line que amigas online.

Você que está lendo, pode estar pensando: Como assim? Não são as mesmas pessoas? Como pode um amigo ser uma pessoa diferente online ou off-line?

É isso.

Uma vez li em algum lugar que conversar online via rede social por mensagens de texto é psicologicamente mais “confortável” porque tem muito menos custo emocional e cognitivo.

Quando conversamos frente à frente com as pessoas temos que decodificar uma série de sinais que a linguagem escrita não dá conta de registrar.

Expressões faciais, tom de voz, gestos, pausas mais longas, curtas, embargo na voz… A lista é grande.

Tudo isso acabe exigindo muito de nosso sistema cognitivo. Quando temos que discordar de alguém ou debater ideias contrárias, ou ainda, quando temos alguma notícia ruim a contar… Sem dúvida nesse tipo de situação o custo cognitivo é muito maior cara a cara do que via texto pelo Whats.

isolamento e comportamento

Conversar online por texto, reduz muito o esforço e custo emocional e cognitivo. A mensagem de texto é direta, fria, não carece de múltiplos sinais para ser interpretada nem demanda estabilidade emocional para ser passada adiante.

Algumas pessoas não são boas amigas online, porque sentem-se mais seguras, confiantes e confortáveis em discordar de nós.

Ao contrário do que imaginamos, não gostamos do contraditório!

Queremos e buscamos sempre que concordem com nosso ponto de vista. Isso é materializado e já amplamente documentado pelas Ciências Comportamentais.

O ilustre Primeiro Ministro Britânico Winston Churchill disse certa vez que:

“Em uma reunião acho razoável que todos falem por alguns minutos, exponham suas opiniões e no final todos concordem comigo.” (Winton Churchill)

O viés da confirmação, como é chamado esse “fenômeno” vem daí. Pesquisas científicas registram evidências de que quando buscamos informações, estamos à procura daquelas que confirmem nossos ponto de vista preestabelecidos.

Em suma, estamos sempre desejando confirmar aquilo em que acreditamos e não procurando conhecer ou entender o contraditório.

Muita gente defende de forma velada o valor do contraditório. É importante ouvir opiniões dos outros, principalmente aquelas que divergem de nossos pontos de vistas, dizem. A diversidade de opiniões nos faz crescer…

A verdade está aí para quem quiser ver. Bons amigos online são aqueles que compartilham da nossa mesma visão de mundo e opiniões. Enquanto desejamos diversidade, parece meio contraditório que essa defesa parece ser apenas ao direito de ser diferente ou de ter opiniões diferentes.

Ser diferente mas desejar estar apenas com iguais é uma contradição.

E isso é o que acontece online hoje. Pessoas se juntam em grupos de iguais, com opiniões e visões de mundo iguais, mas pregam tolerância e diversidade. Outros se apressam a sair de grupos de mensagem quando as opiniões lá expostas são diferentes das suas.

Nessa fase em que fomos jogados aos relacionamentos digitais e que temos ainda tanta dificuldade em aceitar e acolher opiniões divergentes da nossa, é de se esperar que mesmo aceitando a diversidade, estejamos caminhando para um distanciamento social cada vez mais acentuado.

Esse outro tipo de distanciamento, não é culpa do Coronavírus, mas foi causado por ele. Enquanto sociedade, espero que consigamos ajeitar as coisas.

Caso contrário o planeta caminha para ser dividido em vários pequenos planetas, cada um com sua “diversidade” para fora e uniformidade para dentro.

About the author

Anderson Mattozinhos

Anderson Mattozinhos

Economista, bookaholic, tecnófilo e jogador inveterado de videogames.

Instagram

Invalid username or token.

Fique Atualizado

Categorias

Gostou desse conteúdo?

Se cadastre na nossa newsletter e não perca mais nada! Receba notícias, novidades sobre Economia Comportamental e atualizações de novos posts.

Você se cadastrou com sucesso!