Bolsa Barata: cuidado com a ilusão monetária - Geekonomics
Início » Bolsa Barata: cuidado com a ilusão monetária
Economia Comportamental Mercado

Bolsa Barata: cuidado com a ilusão monetária

bolsa_barata_post_geekonomics_capa

Todos falando que a bolsa está barata, mas será que é isso mesmo?

Se pensarmos em termos de valores nominais sim, mas quando consideramos a inflação, o cenário não é bem esse não.

Claro que uma análise por ativo é crucial para saber se o mesmo está barato em termos nominais ou reais, mas pelo cenário macro, é possível dizer que a bolsa pode estar barata, mas é importante prestar a atenção para não cair em armadilhas retóricas.

Alguns vão argumentar que na verdade não faz sentido falar em termos de ilusão monetária de ativos negociados na Bolsa de Valores, porque eles são na verdade o reflexo do valor das empresas e não tem relação com inflação, mas sim com as perspectivas relacionadas aos fundamentos da empresa que a ação representa.

Sendo assim, mesmo num cenário inflacionário, empresas que estejam com bons fundamentos e resultados, poderiam estar sim com suas ações baratas, quando analisamos os fundamentos.

Você não deveria pensar dessa forma

Além dos fundamentos da empresas, seus resultados e investimentos a expectativa também interfere no valor da ação. Isso sem falar em variáveis decisórias dos investidores que são fortemente influenciados por excesso de otimismo, seguem a maioria, criam efeitos manadas e em geral têm pouca informação a respeito do funcionamento do mercado.

Assim, falar que a bolsa está barata é sim de certa forma, ignorar os efeitos da inflação sobre o poder de compra do Real. Com isso investidores que recebem essa informação de bolsa barata, são estimulados a pensar em termos nominais, o que aumenta as chances de maus negócios fechados na compra de ativos.

Avaliar os efeitos da inflação sobre os resultados de investimentos é importante e deve sempre estar no radar dos investidores. Considerar que o dinheiro neste momento também já sofreu em parte com perdas em poder de compra, é importante para ajustar não apenas as expectativas de retorno, como para reconhecer que, em parte a bolsa barata não é tão barata assim.

Bolsa barata num contexto em que o dinheiro perde valor pode ser uma armadilha e levar investidores a superestimar as vantagens dessa modalidade de investimento. É verdade também que o contexto inflacionário pode mascarar os fundamentos das empresas, mostrando aumento de receitas, que na verdade ao olharmos mais de perto são resultado de aumento dos preços e não das vendas.

A inflação então deve ser avaliada num contexto amplo, onde seus impactos não interferem apenas os resultados dos investimentos, mas também contexto econômico e até mesmo os fundamentos das empresas.

Ao ignorar a inflação, operadores do mercado, negligenciam parte importante das variáveis que devem compor a análise do investimento realizado e a formação das expectativas. Com isso, muitos podem se iludir com retornos que refletem ganhos financeiros, mas não o ganhos de riqueza expressos em termos de manutenção ou ampliação do poder de compra do dinheiro.

E assim iludidos seguimos investindo, mas avaliando apenas em parte em qual cenário estamos. É importante ter em mente, que quando menor a inflação, menor os efeitos e a ilusão monetária associada a eles, em termos de impacto financeiro. Mas considerando o cenário atual, em que a inflação continua subindo, somadas com as expectativas de inflação também em alta pelo mundo…

Bolsa barata, vamos fazer as contas?

Criei dois cenários para que possamos avaliar os efeitos da inflação, no resultado após a venda de um ativo. Considerei o cálculo da rentabilidade ignorando os efeitos da inflação (ilusão monetária) outro cenário onde a inflação é considerada para apurar a rentabilidade da operação. Vejamos como ficariam os resultados de um investimento para dois ativos fictícios neste caso.

bolsa barata_ilusao_monetaria_geekonomics_02

Notem que mantive o mesmo preço para as ações fictícias, porém com variação na taxa de inflação. Nesse cenário, considerando o resultado líquido de inflação, as ações apresentam duas realidades bem diferentes. A ação 1 num cenário de inflação baixa na casa dos 3%, apresentou resultado líquido de 6,13%.

Já para a ação 2, num cenário de inflação elevada com taxa de 12% mostrou desempenho muito pior. O interessante, no entanto, é perceber como os resultados mudam quando a inflação é considerada.

Vale lembrar que considerar a inflação é importante porque calibra a rentabilidade com o poder de compra do dinheiro. Sendo assim, resultados negativos quando descontada a inflação, mostram que na verdade houve perda de poder de compra e que mesmo estando positivo em termos nominais, o resultado foi negativo para o investidor.

Considerar o resultado final fazendo o desconto da inflação do período é estratégia para evitar ilusão monetária, afinal o dinheiro flutua seu valor em termos de poder de compra, logo não considerar a inflação em última análise é superestimar os resultados.

Inflação expectativas e fundamentos das empresas

Apesar do consenso contábil de que os efeitos da inflação deveriam ser considerados nos demonstrativos contábeis das empresas, algumas pesquisas indicam que algo em torno de 60% dos demonstrativos das empresa ignoram os efeitos das inflação.

Seja nas demonstrações contábeis ou em relatórios gerenciais, ignorar a inflação leva a distorções que podem ancorar investidores e suas escolhas, levando a decisões de investimento enviesadas.

Estar atento à inflação quando da análise dos fundamentos das empresas e coleta de informações para a tomada de decisões de investimentos, é evitar distorções de informação estar mais bem posicionado ao investir.

Outra estratégia que pode ser interessante, é compor a carteira de investimentos com ativos que tem como referência de desempenho indicadores de inflação.

Se liga para não se animar demais em contextos inflacionários, ou pelo menos para se posicionar sem ilusões a respeito das decisões de investimento.

About the author

Anderson Mattozinhos

Anderson Mattozinhos

Economista com MBA em Economia Comportamental, já atuou como Professor na ESPM-SP, é empresário do setor de saúde, podcaster e idealizador do Geekonomics PodCast e site. Nas horas vagas divide seu tempo entre leitura de livros e games.

Instagram

Connection error. Connection fail between instagram and your server. Please try again

Fique Atualizado

Categorias

Gostou desse conteúdo?

Se cadastre na nossa newsletter e não perca mais nada! Receba notícias, novidades sobre Economia Comportamental e atualizações de novos posts.

Você se cadastrou com sucesso!